artigo

Falta estratégia

side effects geneva; font-size: 10pt;">O que tem travado o desenvolvimento econômico de Brasília nos últimos anos? São várias as causas, como veremos adiante, mas, principalmente, a total falta de uma estratégia de desenvolvimento.

Leia mais...

 

O bê-a-bá do crescimento já

crescimento

pills geneva;">É possível o país ter um crescimento econômico expressivo já em 2017? "Há uma visão dominante em todo o território nacional, information pills é que o crescimento virá devagar, algo como 1% no ano que vem e 2% a partir de 2018. Estou em desacordo com a maioria", argumenta o economista Roberto Troster.

Leia mais...

Exportar pequi

pequi

buy geneva;">O economista Ernani Souza discute a questão das vantagens comparativas e questiona, a modo de exemplo, quais seriam as condições necessárias para o país exportar pequi.

Leia mais...

Reunião de Bacana

cialis 40mg geneva; font-size: 10pt;">É incrível a frequência com que ocorrem os escândalos de corrupção envolvendo a alta cúpula do governo Temer, nos brindando a cada semana com uma nova denúncia. Mais incrível ainda é assistir a tolerância daqueles que há um ano correram às cozinhas para bater panelas e saíram às ruas com camisas da Seleção Brasileira protestando contra a corrupção. Nos faz refletir se eram mesmo contra a corrupção ou estavam apenas interessados na troca do partido que comandava o governo.


Mas o Brasil não é mesmo um país sério, diz a frase erroneamente atribuída a De Gaulle. É ilustrativo observar que os que estiveram na linha de frente da deposição de Dilma bradando a bandeira da ética e da moralidade (Cunha, Geddel, Serra, Renan) estão, um a um, sendo indiciados ou acusados por atos de corrupção ene vezes mais graves. Agiram como Caifás e os vendilhões do templo. E a grande mídia faz vista grossa.


Ari do Cavaco, notável compositor da Portela, compôs o samba “Reunião de Bacana”, consagrado por Bezerra da Silva, que retrata bem o que se passa na nossa elite política e econômica: “Aqui está reunida toda a nata, senhores, doutores e até magnatas...mas, se gritar pega ladrão, não fica um meu irmão”.


Nossas “reuniões de bacana” não passam de convescotes de freiras comparadas à reunião do Fórum Mundial de Davos, congregando os homens mais ricos do planeta. Nos belos Alpes suíços, enquanto a nata da elite mundial hipocritamente lamenta que o 1% mais rico do mundo detém riqueza superior a dos demais 99% ou que as oito famílias mais ricas (cabem numa van) possuem riqueza superior a de 3,6 bilhões de pessoas, exatamente a metade mais pobre e miserável da humanidade, buscam ampliar seus lucros extraordinários parasitando ainda mais a economia, mediante a desregulamentação dos fluxos financeiros, a ampliação das isenções tributárias e a retirada de direitos sociais. Para tanto, contam com a reforma previdenciária no Brasil.

Júlio Miragaya – Presidente do Conselho Federal de Economia.

Febeapá

O presidente Júlio Miragaya comenta a semana política do Brasil relembrando Stanislaw Ponte Preta.

Leia mais...

Sub-categorias