Artigo

A EDUCAÇÃO FINANCEIRA E OS ECONOMISTAS

planejamento

O economista Lauro Chaves avalia a importância da Educação Financeira em um contexto de crise econômica.

Leia mais...

 

Previdência Justa

Reproduzo trechos da carta “Por uma Previdência Social justa e ética” divulgada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e o Conselho Federal de Economia (COFECON).

Leia mais...

Eugênio Gudin - um engenheiro interessado em economia

Gudin

Luiz Alberto Machado e Renato Lembe escrevem sobre Eugênio Gudin, considerado um dos maiores economistas brasileiros de todos os tempos.

Leia mais...

Dia da mulher: é preciso aprofundar o debate

Mulher-Profissional

A economista Danielle Nascimento avalia a situação feminina no mercado de trabalho.

Leia mais...

Brasília, nota seis

Ao completar 57 anos, Brasília se consolida como uma das cinco maiores metrópoles do País, com 4,3 milhões de habitantes, sendo 3,03 milhões no quadrilátero e 1,25 milhão nos 12 municípios goianos adjacentes. Muito embora seja uma das metrópoles com maior PIB e renda per capita do Brasil e tida por muitos brasileiros como “ilha da fantasia”, o fato é que estamos muito longe de proporcionar boa qualidade de vida à maioria de nossa população.


O Índice de Desenvolvimento Municipal da Associação Nacional das Instituições de Planejamento, Pesquisa e Estatística (IDM-Anipes), divulgado nesta semana, revela que, numa escala que varia de zero a 1, Brasília ocupa posição de destaque no indicador de riqueza (escore de 0,82), mas posição medíocre quando se considera a dimensão social (0,63), sendo de 0,65 no indicador de saúde e de 0,62 no indicador de educação.


Chama atenção o “gap” entre as notas conferidas à variável riqueza e à variável social. Para efeito de comparação, o município de Curitiba, metrópole paranaense com dimensão similar à nossa, apresenta escore 0,85 para riqueza e 0,75 para social (saúde e educação com escore de 0,75). Mesmo cidades com economias mais frágeis, como Campo Grande, apresentam menor disparidade entre o escore em riqueza (0,76) e social (0,70), sendo 0,63 em saúde e 0,76 em educação. Comparado a municípios de porte médio, a diferença é ainda mais gritante. São Caetano do Sul (SP), por exemplo, obteve 0,90 em riqueza e 0,91 na dimensão social, sendo 0,84 em saúde e 0,98 em educação.


É fato que grande número de municípios brasileiros apresenta índices ruins, particularmente nas regiões Norte e Nordeste, mas é inaceitável que a rica capital da República, cidade planejada e tão cortejada por recursos da União, apresente, em seu 57º aniversário, indicadores sociais tão sofríveis.  


 

Júlio Miragaya, Presidente do Conselho Federal de Economia e da Anipes.