Conselheiros federais e presidentes dos Corecons se reúnem em Brasília

Tamanho da Letra

cost geneva; color: #000000;">p676O Conselho Federal de Economia (Cofecon) realizou nos dias 03 e 04 de fevereiro sua 676ª Sessão Plenária Ordinária Ampliada. A reunião aconteceu na sede da autarquia, em Brasília. Além dos conselheiros federais, o encontro reuniu também os presidentes dos Conselhos Regionais de todo o País.

Na abertura do evento, no período da manhã, os economistas Arnaldo Lima, assessor especial do Ministério do Planejamento, e Denise Gentil, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), debateram a proposta de reforma da Previdência Social. A discussão contou com a participação dos membros do Sistema Cofecon/Corecons presentes e dos internautas que acompanharam o debate ao vivo pela página do Cofecon no Facebook. Durante a tarde, os conselheiros deliberaram uma Nota Oficial sobre o tema que foi divulgada à imprensa como posicionamento institucional.

No primeiro dia houve também definições sobre o calendário e o programa de trabalho do Conselho para o exercício de 2017. A plenária estabeleceu os nomes que constituirão cada uma das Comissões Permanentes, Temáticas e Grupos de Trabalho no ano. 

Enquanto os conselheiros federais realizavam esse planejamento, os presidentes dos Corecons participavam de uma outra reunião, na qual discutiam as principais demandas dos Regionais para apresentá-las ao Conselho Federal. Para coordenar o Fórum dos Presidentes de Corecons foram escolhidos os economistas Mário Sérgio Fernandez Sallorenzo (DF) como presidente e Joaquim da Cunha Bastos Junior (GO) como vice.

No fim da tarde, os presidentes dos Corecons voltaram a se reunir com os conselheiros federais e apresentaram diversas demandas de seus estados. Entre elas: a necessidade de representantes dos Regionais em todas as Sessões Plenárias do Cofecon; a edição de um novo programa de recuperação de créditos; subsídios do Federal aos Regionais menores; a possibilidade de aumento do número de parcelas da anuidade; a avaliação dos atuais sistemas de TI; e a realização do Encontro de Funcionários do Sistema Cofecon/Corecons. 

Os conselheiros federais avaliaram, durante a noite, a versão preliminar do Relatório de Gestão 2016. O documento registra o balanço das atividades do Cofecon no ano, com o relato dos projetos desenvolvidos, dos eventos realizados e do trabalho executado pelas diversas Comissões e Grupos de Trabalho. O Relatório também exibe os indicadores orçamentários e financeiros do Conselho.

A organização do XXII Congresso Brasileiro de Economia e a homologação dos regulamentos referentes ao Prêmio Brasil de Economia e à Gincana Nacional de Economia foram discutidas no segundo dia, apenas entre os conselheiros federais (os presidentes dos Corecons cumpriram agenda apenas na sexta-feira, 03). Outro ponto discutido foi uma proposta de captação de receita para a ampliação da tiragem da revista Economistas. Os conselheiros também avaliaram recursos e processos administrativos. 

A próxima sessão plenária acontecerá nos dias 24 e 25 de março, novamente em Brasília.

 


* Assessor do Cofecon

(61) 3208-1801

O Conselho Federal de Economia (Cofecon) realizou nos dias 03 e 04 de fevereiro sua 676ª Sessão Plenária Ordinária Ampliada. A reunião aconteceu na sede da autarquia, em Brasília. Além dos conselheiros federais, o encontro reuniu também os presidentes dos Conselhos Regionais de todo o País.

Na abertura do evento, no período da manhã, os economistas Arnaldo Lima, assessor especial do Ministério do Planejamento, e Denise Gentil, professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), debateram a proposta de reforma da Previdência Social. A discussão contou com a participação dos membros do Sistema Cofecon/Corecons presentes e dos internautas que acompanharam o debate ao vivo pela página do Cofecon no Facebook. Durante a tarde, os conselheiros deliberaram uma Nota Oficial sobre o tema que foi divulgada à imprensa como posicionamento institucional.

No primeiro dia houve também definições sobre o calendário e o programa de trabalho do Conselho para o exercício de 2017. A plenária estabeleceu os nomes que constituirão cada uma das Comissões Permanentes, Temáticas e Grupos de Trabalho no ano.

Enquanto os conselheiros federais realizavam esse planejamento, os presidentes dos Corecons participavam de uma outra reunião, na qual discutiam as principais demandas dos Regionais para apresentá-las ao Conselho Federal. Para coordenar o Fórum dos Presidentes de Corecons foram escolhidos os economistas Mário Sérgio Fernandez Sallorenzo (DF) como presidente e Joaquim da Cunha Bastos Junior (GO) como vice.

No fim da tarde, os presidentes dos Corecons voltaram a se reunir com os conselheiros federais e apresentaram diversas demandas de seus estados. Entre elas: a necessidade de representantes dos Regionais em todas as Sessões Plenárias do Cofecon; a edição de um novo programa de recuperação de créditos; subsídios do Federal aos Regionais menores; a possibilidade de aumento do número de parcelas da anuidade; a avaliação dos atuais sistemas de TI; e a realização do Encontro de Funcionários do Sistema Cofecon/Corecons.

Os conselheiros federais avaliaram, durante a noite, a versão preliminar do Relatório de Gestão 2016. O documento registra o balanço das atividades do Cofecon no ano, com o relato dos projetos desenvolvidos, dos eventos realizados e do trabalho executado pelas diversas Comissões e Grupos de Trabalho. O Relatório também exibe os indicadores orçamentários e financeiros do Conselho.

A organização do XXII Congresso Brasileiro de Economia e a homologação dos regulamentos referentes ao Prêmio Brasil de Economia e à Gincana Nacional de Economia foram discutidas no segundo dia, apenas entre os conselheiros federais (os presidentes dos Corecons cumpriram agenda apenas na sexta-feira, 03). Outro ponto discutido foi uma proposta de captação de receita para a ampliação da tiragem da revista Economistas. Os conselheiros também avaliaram recursos e processos administrativos.

A próxima sessão plenária acontecerá nos dias 24 e 25 de março, novamente em Brasília.
Escrito por * Júlio Poloni