Pause
  • 1

  • 2

  • 3

  • 4

  • 5

  • 6

O Brasil vive uma das mais graves crises de sua história. Uma década já considerada perdida, com projeção de baixo crescimento econômico para 2017, baixos investimentos, alto endividamento das famílias, elevada informalidade, desindustrialização, perda de competividade da indústria nacional, e um contingente de mais de 12 milhões de desempregados. Nesse contexto, uma ampla agenda de reformas vem sendo proposta para a sociedade brasileira, entre elas a Reforma Trabalhista.

Reforma trabalhista foi o tema do debate realizado na 677ª Sessão Plenária do Conselho Federal de Economia, neste sábado (25 de março), entre o especialista Pablo Rolim Carneiro, da Confederação Nacional da Indústria (CNI), e o economista e conselheiro federal Antônio Melki. A mesa foi coordenada pelo coordenador da Comissão de Política Econômica do Cofecon, o conselheiro federal Róridan Duarte. O evento ocorreu na sede do Cofecon, em Brasília.

O presidente do Conselho Federal de Economia, Júlio Miragaya, participou nesta terça-feira, 21 de março, de um debate sobre conjuntura econômica durante o encontro do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O evento reuniu a presidência da entidade, os presidentes dos 18 regionais os presidentes das Comissões Episcopais de pastoral, os representantes de bispos e assessores. Mais de 70 pessoas prestigiaram o evento, que encheu o auditório. A palestra de Miragaya respondeu pela prática do Conselho Permanente da CNBB que, em suas reuniões ordinárias, sempre dedica espaço para a análise da conjuntura brasileira.

O presidente do Conselho Federal de Economia, Júlio Miragaya, participou nesta terça-feira (21) de um debate sobre conjuntura econômica durante o encontro do Conselho Permanente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O convite foi feito pelo secretário geral da entidade, Dom Leonardo Steiner. O evento reuniu a presidência da CNBB, os presidentes dos 18 regionais, os presidentes das Comissões Episcopais de pastoral, os representantes de bispos e assessores. O Cofecon também se fez presente com o coordenador da Comissão de Política Econômica, conselheiro Róridan Duarte. Mais de 70 pessoas prestigiaram o evento, que encheu o auditório. A palestra de Miragaya respondeu pela prática do Conselho Permanente da CNBB que, em suas reuniões ordinárias, sempre dedica espaço para a análise da conjuntura brasileira.

O Conselho Federal de Economia reconhece anualmente trabalhos acadêmicos de economistas e estudantes de Economia. Em 2017, o Prêmio Brasil de Economia chega a 23ª edição e irá distribuir R$ 26 mil em prêmios entre os primeiros colocados nas categorias monografias de graduação, dissertações de mestrado, teses de doutorado, artigos técnicos/científicos e livros de Economia. As inscrições seguem até o dia 03 de julho e devem ser feitas nos Conselhos Regionais de Economia ou no site do Prêmio. O regulamento está disponível no link: http://pbe.cofecon.org.br/regulamento.html

Está disponível no site do Senado Federal uma Consulta Pública sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) 658/2007, que estabelece alterações à Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951, para atualizar a regulamentação do exercício da profissão de Economista.

Hide Main content block

Notas Oficiais

NOTA DO COFECON SOBRE A REFORMA TRABALHISTA
O Brasil vive uma das mais graves crises de sua história. Uma década já considerada perdida, com projeção de baixo crescimento econômico para 2017, ... Leia mais

Artigos

Eugênio Gudin - um engenheiro interessado em economia
Luiz Alberto Machado e Renato Lembe escrevem sobre Eugênio Gudin, considerado um dos maiores economistas brasileiros de todos os tempos. Leia mais